Boechat, um Mestre do Jornalismo

SER HUMANO | SER BOÇAL
.
Boechat foi um cara imensamente feliz – fez o que quis, amou o que fez, construiu famílias e amizades, foi reconhecido, bem remunerado e celebrado...
.
Ao optar pelo helicóptero e priorizar a pressa, Boechat inconscientemente fez sua escolha, traçou seu destino e se foi da forma que tinha que ser – nem cedo, nem tarde...
.
Imbecis, canalhas e hipócritas que se sentem no direito de criticar Boechat pelo seu temperamento irascível tão comum entre nós, jornalistas, não seriam dignos de lamber a sola de seu sapato...
.
Débeis mentais que relacionam Boechat a um pastorzinho homofóbico bandido, marginal, estelionatário, que manipula a fé alheia e se tornou milionário graças à ignorância sem limites merecem desprezo e repugnância...
.
Boechat nunca foi santo, nunca foi perfeito – mas, com todos seus erros e idiossincrasias, ele foi um grande cara: íntegro, verdadeiro, digno, divertido, generoso, intenso...
.
O mundo mergulha na burrice congênita, a inteligência humana despenca a níveis inacreditavelmente baixos.
.
Vejo gente defendendo as maiores asneiras, e pior: se orgulhando disso!
.
Observo um tsunami infinito de informações falsas, discussões inúteis, intermináveis, agressivas... 
.
Nunca vi tanta gente burra, leviana, preconceituosa, deselegante e violenta junta num só tempo, num só espaço.
.
2019: o triunfo da ignorância.

 

Texto de Sérgio Cursino