Aindústria 4.0 representa a quarta Revolução Industrial e se caracteriza por um conjunto de tecnologias que permitem a fusão do mundo

físico, digital e biológico aos processos produtivos, etapas da cadeia de valor, distribuição, entre outras mudanças.

A indústria brasileira enfrenta o desafio de aumentar sua competitividade no cenário global impactado por esta revolução, transformando as plantas industriais atuais em fábricas inteligentes e modulares. Eficiência, controle de processos, qualidade dos produtos e segu-rança dos trabalhadores são condições essenciais para que o setor produtivo avance rumo à indústria 4.0z

O Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviço(MDIC), em parceria com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), lançou
 um conjunto de medidas para auxiliar o setor produtivo, em especial as pequenas e médias indústrias, em dire-ção ao futuro da produção industrial. As ações vão da difusão deste novo conceito à disponibilização de linhas crédito mais acessíveis para que indústrias de todos os portes possam investir na adoção ou geração de novas tecnologias.

A Agenda Brasileira para a Indústria 4.0 prevê um amplo suporte ao empresário que pretende seguir o caminho da transformação digital. O objetivo é au-mentar a competitividade da indústria nacional, hoje um grande gargalo do setor.


Fonte:

Ministério da Indústria, Comércio

exterior e Serviços


Metas da Agenda Brasileira para a Indústria 4.0

 

  • Disseminar os conceitos e pro-cessos da indústria 4.0 através de campanha permanente de comu-nicação. O tema será inserido em todos os acordos comerciais.
  • Aproximar indústrias e startups, por meio do programa Startup Indústria 4.0, da ABDI, que des-tinará R$ 30 milhões para que empresas desenvolvam soluções tecnológicas para as indústrias.
  • Finep, BNDES e BASA, oferecerão linhas de crédito para modernização das plantas produtivas, produção de máquinas ou sistemas em institui-ções financeiras públicas e privadas.
  •  Zerar o imposto de importação para aquisição de robôs industriais não produzidos no Brasil.
  • Reduzir a alíquota do Imposto de Importação para impressoras 3D e equipamentos voltados para a manufatura aditiva.
  • Revisar as regras legais para que as empresas brasileiras migrem para o modelo 4.0.
  • Capacitar 1,5 mil professores de educação profissional e tecnológi-ca e 10 mil alunos da rede federal, bem como criar até 100 laborató-rios voltados para o tema.
  • Alinhar os currículos dos cur-sos com a oferta e a demanda do mercado de trabalho, facilitando a transição dos trabalhadores para os empregos 4.0.
  • Criar mecanismos de financia-mento público-privado para a re-qualificação dos trabalhadores.
  • O MDIC e a ABDI, em parceria com agências federais e estaduais de fomento, financiarão o desen-volvimento das fábricas do futuro, que são ambientes reais para tes-tes de soluções inovadoras, para que possam ser aplicadas no pro-cesso produtivo.